ARLITA ANGRIZANI

ARTISTA PLÁSTICA

A pintura de Arlita Angrizani revela potentes características da visualidade contemporânea.

É dinâmica… cores e formas apresentam-se espontâneas, viscerais. Há uma percepção de plenitude. Ao mesmo tempo densa e etérea! Alternadamente repetida (os gestos e as pinceladas aleatórias) e ordenada (as harmonias das cores e suas texturizações). Percebe-se, então, um método compositivo.

É orgânica… a informalidade das pinceladas, a viscosidade das tintas e a intensidade dos contrastes cromáticos sugerem paisagens cósmicas, com projeções e densidades muito peculiares – paisagens ensimesmadas. Abstrações!

É vital… a artista investe numa intensa gestualidade, transferindo sua energia vital para a obra de arte. Há um surpreendente pulsar em suas composições pictóricas. Os campos de cor, geralmente fragmentários, criam tensões visuais que reverberam em todo o espaço – revelando uma íntima relação entre matéria, imagem (qualitativa) e suporte.

É um constante exercício de metalinguagem… suas narrativas visuais definem percursos abstratos determinados pelas cores – evidentes protagonistas de sua expressão pictórica que compreende a natural organicidade, a pulsante vitalidade e o criativo elogio ao cromatismo.

As narrativas da cor, definindo uma carreira artística.

Marcos Rizolli

Doutor em Semiótica com pós-doutorado em Artes, Crítico de Arte e Curador independente; Pesquisador em artes visuais; Professor universitário.